Entenda como os exercícios físicos podem ser um bom aliado para o tratamento da depressão em idosos

A depressão é uma doença que acomete muitas pessoas, e as estatísticas mostram que o índice tende a crescer cada vez mais. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, ela será a doença mais comum do mundo até o ano de 2030, superando o câncer e problemas cardíacos.

Os idosos estão na faixa etária em que a doença mais se manifesta: o IBGE levantou, em sua Pesquisa Nacional de Saúde de 2013, que 11,2 milhões de brasileiros sofrem com a doença, e 11,1% desses indivíduos (mais de 1,24 milhão de pessoas) estão na faixa de 60 a 64 anos, que lidera o ranking por faixa etária.

Uma alternativa que pode ajudar a reverter esse quadro é a prática de exercícios físicos, que possui relação direta com a redução dos efeitos da depressão em idosos.

Aprenda melhor porque a população da terceira idade está no topo da lista de portadores de depressão e como os exercícios físicos podem ajudar a combater essa condição tão prejudicial.

Por que os idosos brasileiros são os mais afetados pela depressão?

Provavelmente, isso acontece devido a fatores de estresse que acontecem em nossa sociedade, como violência, pobreza, limitação ao acesso de serviços de saúde e a separação da família com o passar dos anos.

Esse tipo de situação varia muito de acordo com cada nação. Estudos feitos em outros países, onde há um maior equilíbrio financeiro na sociedade, mostram que os índices de depressão em idosos diminuem ao invés de aumentar, já que a experiência os faz encarar a vida de outra maneira.

Outro motivo muito importante é a dificuldade da identificação da doença, graças aos seus sintomas, que nem sempre são conhecidos pelas pessoas próximas. Isso, aliado ao fato de que muitos idosos não se sentem confortáveis para falar de seus sentimentos, pode resultar em um diagnóstico tardio.

Tristeza, apatia, pensamentos negativos e diminuição no interesse do contato com outras pessoas são alguns fatores que podem sinalizar a presença da depressão em idosos, mas que algumas vezes passam despercebidos.

O diagnóstico e o tratamento da depressão em pessoas idosas deve ser feito com cada vez mais atenção e cuidado, já que a população mundial está envelhecendo rapidamente.

De acordo com estatísticas da OMS, entre 2015 e 2050, a proporção da população mundial com mais de 60 anos passará de 12% para 22%. Seus dados também mostram que a depressão unipolar, que é o tipo mais comum da doença, acomete hoje 7% da população idosa de todo o mundo.

Outro ponto importante citado pela OMS é que idosos com sintomas depressivos apresentam condições de saúde piores do que portadores de outras doenças crônicas, como problemas pulmonares, hipertensão e diabetes.

Isso mostra que a sociedade deve estar preparada para ajudar as pessoas que estiverem nessa faixa etária, e os exercícios físicos podem ser muito importantes nesse processo.

 


Qual é o papel dos exercícios físicos no tratamento da depressão na terceira idade?

Os benefícios de se exercitar fisicamente podem ser sentidos em pessoas de todas as faixas etárias, sejam portadoras de depressão ou não, mas sua importância na terceira idade é ainda maior, já que o tratamento se torna mais delicado.

Um estudo clínico publicado na Revista Brasileira de Psiquiatria em 2016 tratou sobre o assunto. A equipe conduziu uma meta-análise do impacto do exercício físico em portadores de depressão com 60 anos ou mais.

Os resultados foram bastante significativos. De acordo com os pesquisadores, houve um grande e significativo efeito antidepressivo causado pelos exercícios em idosos.

Esses efeitos foram percebidos mais intensamente com a realização de atividades de intensidade moderada, em uma mistura de exercícios aeróbicos com treinamentos de fortalecimento muscular e em amostras sem grandes comorbidades (presença de duas doenças ou condições clínicas de caráter crônico).

Na conclusão dos pesquisadores, os exercícios podem ser considerados como um tratamento não-farmacológico muito efetivo para depressão em idosos.

Ainda de acordo com eles, os resultados são bastante relevantes pelo fato de que a depressão na terceira idade é um problema social, que resulta em elevados gastos médicos, maiores riscos de morbidez, redução da capacidade cognitiva e funcional e até mesmo maiores chances de suicídio.


Grandmother Playing With Granddaughter Outdoors At The Park


A importância do incentivo ao exercício físico em idosos com depressão

São vários os benefícios que a prática de atividades físicas pode trazer às pessoas da terceira idade, que terão uma vida muito melhor e mais saudável, principalmente quando elas apresentam quadros de depressão.

Alguns desses benefícios são:

  • Vida mais longa;

  • Prevenção de quedas;

  • Menores riscos de AVC e ataque cardíaco;

  • Melhor densidade óssea;

  • Menor risco de desenvolvimento de quadros de demência;

  • Prevenção ou atraso de outras doenças;

  • Maior sentimento de confiança e independência, entre outros.

Além disso, o efeito antidepressivo dos exercícios físicos é mais uma grande vantagem, o que deve levar os amigos e familiares a incentivarem ainda mais os idosos a praticar atividades físicas.

Como o diagnóstico nem sempre é possível, graças à interpretação equivocada dos sintomas ou ao fato de alguns idosos serem mais reservados com seus sentimentos, os exercícios podem tanto prevenir a aparição da depressão quanto amenizar seus efeitos.

Setembro é conhecido como o mês da prevenção do suicídio, um problema sério que atinge nossa sociedade, e a prática de atividades físicas pode reduzir sua incidência em pessoas de todas as faixas etárias, inclusive na população idosa.


Couple running together in a race

É importante fazer todo o possível para que os idosos se exercitem, seja em uma academia terceira idade, em corridas e caminhadas nos parques, na natação, hidroginástica ou onde preferirem. Certamente, isso os fará levar uma vida mais saudável, tanto física quanto psicologicamente.