Foto de Monika Gargantini


“Conta-se que, no século passado, um turista americano foi à cidade do Cairo, no Egito, com o objetivo de visitar um famoso sábio. O turista ficou surpreso ao ver que o sábio morava num quartinho muito simples e cheio de livros. As únicas peças de mobília eram uma cama, uma mesa e um banco.
-Onde estão seus móveis? perguntou o turista.
E o sábio, bem depressa, perguntou também:
– E os seus, onde estão?
– Os meus?!? – surpreendeu-se o homem. – Mas eu estou aqui só de passagem!
– Eu também! concluiu o sábio.


Moral da História

A vida é efêmera, transitória, inconstante e instável. É surpreendente e inesperada. Esta dimensão é somente uma etapa da grande viagem. No entanto, a maioria das pessoas vive como se fosse ficar por aqui eternamente, acumulando móveis, roupas, bens, dinheiro, cargos, títulos, objetos e mais objetos. Esquece de viver, simplesmente. Perde-se de si mesmo.


Dica***

Desprenda-se do que não é seu. Do que não faz parte de você! Solte o excesso. Alivie o peso que tem carregado desnecessária e inutilmente. Deixe-se leve e livre para seguir adiante, por qualquer caminho, até que esteja de volta à sua verdadeira casa. Chegue lá inteiro, íntegro e despojado do que não é essencial. Alegria, amor e entusiasmo são os bens que se deve acumular ao longo dos anos.

(De Passagem – por Rosana Braga, extraído do livro “Histórias para Viver Feliz”)