Conte uma HistóriaNotícias

O Fantasma do Piano, por Inês Bari – do livro Inesplicando

Por 18 de dezembro de 2019 Sem Comentários

Foto de James P.S. Conway


Com essa linda foto do querido amigo James P. Suplicy Conway, ilustro essa crônica do livro Inesplicando, de Inês Bari. DIVIRTA-SE! #inesplicando #inesbari #cronicas #poesia #divertidosos #empreendedoras55


O Fantasma do Piano

Eu não imaginava que a nascente do Rio Tietê ficava na cidade de Salesópolis. Muito menos que ele era pequeno e limpo, até ir ganhando volume e sujeira, à medida que adentra a grande São Paulo. Também não imaginava que meu irmão, médico formado e com grande talento para cuidar não só de gente, como também de patos,marrecos e faisões, iria comprar terras no bairro de Remédios, vilarejo próximo a Salesópolis.

Era uma aventura chegar lá. Duas ladeiras saiam da estrada de asfalto e iam dar na pracinha com uma pequena igreja e mercearias de balcões antigos. Depois, três quilômetros de terra batida, com direito a capelinhas, santos sem cabeça e mata-burros. Clima de interior…

A casa foi erguida em poucos meses e chegou, então, o dia da visita da família. Logo na entrada, um pergolado com primaveras vermelhas e uma placa de boas vindas : Sítio do Zeca Pireba. Ninguém sabia quem era Zeca Pireba. Ninguém perguntou.

Mais à frente, a casa, sorridente, com janelas e portas pintadas de laranja e amarelo. Na cozinha, panelas de cobre penduradas nas paredes. E na sala, um velho piano, com a foto dos parentes que já partiram. Sorte que não estavam de sobrecasaca, o que dava um aspecto carinhoso e menos soturno.

Como se dorme cedo no sítio! Acorda-se cedo. Dorme-se cedo. E quando deu nove horas, depois da janta, todos foram para seus quartos. Adultos em camas e beliches e crianças amontoadas em colchonetes pelo chão.

E se de dia a natureza nos encanta e alegra, à noite, ela nos intimida, desentocando medos e mistérios. E foi assim, perto das onze da noite, que se ouviu, nitidamente, o som do piano vindo da sala vazia…

Notas graves e agudas. Descompassadas. Dava para ouvir em todos os aposentos. Mas logo veio o silêncio e ninguém disse nada. Absolutamente nada. Na hora do café da manhã, os olhinhos das crianças se procuravam, à espera de algum comentário. Nada foi falado. E o dia seguiu com risos, brincadeiras e frutas colhidas no pé.

Na noite seguinte, às onze da noite, a cena se repetiu. E o som do piano ecoava mais uma vez na sala vazia…Foi nessa hora que o menor da turma, inocente, perguntou: – Ué? Quem tá tocando piano?

Os adultos e as crianças, juntos e tomados de uma coragem até então desconhecida, correram até o final do corredor e se depararam com um pequeno ratinho que se distraia pra lá e pra cá no teclado do velho piano.

O riso tomou conta da sala, enquanto meu irmão botava o roedor para correr. Era só um ratinho. Quem diria. Um ratinho! Voltaram, cada qual para o seu quarto, tranquilos, e foram dormir.

Enquanto no cantinho da sala, vazia, o fantasma do Zeca Pireba se divertia, mais uma vez…

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.